XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Panorama de tireoidectomias com finalidade oncológica realizadas entre os anos de 2019 e 2020 no Sistema Único de Saúde: uma análise do impacto da pandemia de Sars-CoV-2

Introdução

O câncer de tireoide corresponde a 1% de todas as neoplasias malignas. Devido ao seu baixo poder de agressividade, produz poucos sintomas, podendo passar desapercebido por muitos anos. Tem prevalência maior no sexo feminino e costuma acometer pessoas com idade inferior a 50 anos. Em geral tem um bom prognóstico, com chance de cura podendo chegar a 90%. Porém, mesmo sendo uma neoplasia com menor potencial agressivo, depende do diagnóstico precoce e do correto segmento, na maioria das vezes cirúrgico, para alcançar os elevados níveis de cura.

Objetivo

Este trabalho tem como objetivo analisar o número de tireoidectomias no Brasil, entre os anos de 2019 e 2020, tendo em relação a pandemia de SARS-CoV-2.

Método

Estudo epidemiológico transversal descritivo a partir de dados do Departamento de Informática do SUS (DATASUS), entre janeiro de 2019 e dezembro de 2020.

Resultados

No período analisado, foram registrados 13 838 novos diagnósticos de neoplasia de tireoide. Comparando a 2019, ocorreu uma queda de 13,6% no ano de 2020, observando-se uma redução de 37,8% na região Centro-Oeste. Em relação aos procedimentos cirúrgicos, fundamentais no segmento das neoplasias de tireoide, foram realizados, entre o período analisado, 7555 tireoidectomias. Em relação ao ano anterior, em 2020 ocorreu uma queda de 18,8% no número de procedimentos, tendo uma maior queda na região Sul, de 31,3%, enquanto na região Norte de apenas 1,2%. Podemos verificar uma queda expressiva de 19,4% nas tireoidectomias na região Sudeste, mesmo apresentando um aumento de 7,2% no número de diagnósticos em 2020.

Conclusão

Podemos concluir que a pandemia afetou significativamente a investigação de novos casos de neoplasias de tireoide, tendo uma diminuição de mais de 1 mil casos em relação com o período pré-pandemia além do impacto no tratamento dessas neoplasias. A suspensão de cirurgias eletivas e o atraso na realização de exames diagnósticos no ano de 2020 impactou de forma significativa as investigações dos cânceres tireoidianos.

Palavras-chave

neoplasia de tireoide, pandemia, tireoidectomias

Área

Tumores de Cabeça e Pescoço*

Autores

LAURA PSCHICHHOLZ