XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

METÁSTASE DE CARCINOMA DE MAMA EM COLO UTERINO: RELATO DE CASO

Apresentação do caso

Paciente feminina, 65 anos, com histórico de carcinoma ductal de mama esquerda, confirmado com biópsia há 7 anos, e tratado com quimioterapia e radioterapia. Há 4 anos, câncer de mama recidivado em mama contralateral, o qual também foi manejado com quimioterapia. Há 1 ano e meio iniciou com adenopatia inguinal bilateral, maior à esquerda, sem outras alterações em exames de imagem e cuja biópsia linfonodal evidenciou tratar-se de metástase de carcinoma de mama, com exame imuno-histoquímico apontando receptor de estrogênio negativo, receptor de progesterona negativo, HER2 positivo. Após 2 meses de abertura do quadro inguinal, uma ressonância de pelve evidenciou lesão suspeita em colo uterino, descrita como volumosa formação expansiva de aspecto neoplásico, com centro geométrico no colo uterino e medindo cerca de 7,2 x 5,3 x 4,8 cm, estendendo-se para a região do corpo do útero e estenosando canal cervical, associada ao comprometimento de linfonodos pélvicos, bem como de linfonodos na região inguinal direita. Biópsia de colo uterino apontou carcinoma de colo uterino. Tratada cirurgicamente com histerectomia total ampliada por sangramento de difícil controle. Anatomopatológico (AP) de peça cirúrgica evidenciou carcinoma de colo uterino medindo 5,5 cm, acometendo istmo, corpo uterino, endométrio e miométrio, com invasão angiolinfática; margens livres, ovários e paramétrios livres. Imunohistoquímica (IHQ) da peça cirúrgica indicou compatibilidade com metástase de carcinoma mamário em colo uterino, com receptor de estrogênio negativo, receptor de progesterona negativo, HER2 positivo. A paciente segue em tratamento quimioterápico com doença estável.

Discussão

A neoplasia de mama do caso apresentou, como primeiro sintoma da progressão de doença, as linfonodomegalias inguinais, as quais foram inicialmente consideradas como um segundo tumor primário. A utilização de RNM de pelve e biópsia (AP e IHQ) foram ferramentas diagnósticas indispensáveis. A maioria das metástases de câncer de mama ocorrem em linfonodos axilares e não-axilares, além de pulmões e ossos; porém, nesse caso, houve uma apresentação muito atípica.

Comentários Finais

Nosso caso demonstra a importância do seguimento das pacientes com neoplasias de mama e a atenção dispensada para alteraçẽos fora do padrão, evidenciando um tumor metastático em colo uterino de origem mamária.

Palavras-chave

Área

Oncoginecologia*

Autores

FERNANDO DE MARCO DOS SANTOS, RAFAEL FONTANA, GUILHERME FEDRIZZI, MARCELO MACHADO, CAROLINA MATTÉ DAGOSTINI, MURILLO CESAR GIONEDIS, MARINA PASSUELO GAZZOLA