XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELATO DE CASO: TUMOR FIBROSO SOLITÁRIO GIGANTE DA PLEURA

Apresentação do caso

I.M.S, feminina, 57 anos, ex-tabagista. Hipoglicemia e fibromialgia associado dispnéia aos esforços e dor em hemitórax direito. Perda 5 kg em 3 meses. Apresentava baqueteamento digital, macicez e murmúrio abolido em base direita, sem ruídos adventícios. Radiografia de tórax: lesão radiopaca ocupando dois terços inferiores do hemitórax direito. Tomografia tórax: massa sólida com diâmetros de 3827cm3 em hemitórax direito. Histopatológica biópsia percutânea com agulha grossa: proliferação de células fusiformes com fibrose hialinizante sem sinais de malignidade (mesotelioma? Tumor Fibroso Solitário?). Imuno-histoquímica compatível com Tumor Fibroso Solitário (TFSP). Submetida a toracotomia direita com ressecção completa da massa pleural em monobloco, que aderia ao diafragma e tinha base no ligamento pulmonar. Pós-operatório sem intercorrências com alta no 7º dia. Anátomo patológico: TFSP (2270 g).

Discussão

Tumores fibrosos solitários da pleura (TFSP), previamente designados “mesoteliomas benignos”, são raros e tem origem ainda desconhecida. Maior incidência entre 40 e 70 anos; sem associação com exposições ambientais a asbestos ou outros poluentes. Geralmente assintomáticos e seu diagnóstico em geral ocorre de forma incidental em exames radiológicos. Casos sintomáticos podem cursar com dispneia, dor torácica, tosse, derrame pleural ipsilateral, hipoglicemia (“insulin-like growth factor”), artralgia e baqueteamento digital. Tomografia (TC) e/ou a Ressonância magnética (RMN) avaliam relação do tumor com estruturas vizinhas e possibilidade de ressecção. Diagnóstico definitivo por exame anatomopatológico associado imunohistoquimica de fragmentos percutâneos ou da peça operatória. Por vezes o grande volume da tumoração dificulta a ressecção em bloco único, podendo a lesão ser seccionada para ser retirada da cavidade. O prognóstico é bom nas ressecções totais

Comentários Finais

O caso relatado acima traz à luz uma patologia de ocorrência rara, onde a anamnese associada aos exames complementares foi essencial na definição da estratégia terapêutica. Evidência que quando a lesão é completamente ressecada é possível de obter resultados satisfatórios e duradouros no que diz respeito ao alívio sintomático e melhoria da qualidade de vida, além de tratamento curativo.

Palavras-chave

Tumores Fibrosos; Tumores Fibrosos Solitários de Pleura; Tumores Pleurais

Área

Tumores Torácicos*

Autores

JULIA LENZA MAYRINK, LUIZ CARLOS FURTADO DE ALMEIDA JUNIOR