XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

TUMOR DE FRANTZ: RELATO DE CASO

Apresentação do caso

Sexo feminino, 40 anos, procurou atendimento relatando dor abdominal intensa em região de flanco esquerdo, sendo transferida para serviço de referência. Realizou tomografia computadorizada (TC) de abdome que mostrou volumosa formação ovalada medindo 10,4x8,8x6,2 cm, com limites bem definidos e de conteúdo cístico, em região de flanco e fossa ilíaca esquerda, em íntimo contato com corpo e cauda do pâncreas, antro gástrico e alças intestinais, comprimindo ureter proximal e causando discreta dilatação. Foi submetida a biópsia guiada por exame de imagem, com a patologia sugerindo TF. A paciente foi submetida a ressecção multiorgânica da lesão retroperitonal, baço, corpo e cauda de pâncreas e linfadenectomia retroperitoneal sem intercorrências. Laudo histopatológico indica margens livres e sem comprometimento linfonodal, com imunohistoquímica confirmando o TF. Paciente evoluiu sem complicações no pós operatório e é acompanhada em ambulatório.

Discussão

O Tumor de Frantz (TF), conhecido como tumor sólido pseudopapilífero do pâncreas, é uma neoplasia de baixo grau, que acomete mulheres jovens e tem bom prognóstico. Representa cerca de 1 a 2% das neoplasias pancreáticas, e sua apresentação geralmente é marcada por sintomas inespecíficos, e não parecem estar associados ao tamanho do tumor. Ainda podem ser apresentadas massas abdominais palpáveis, pancreatite e hemoperitônio devido a ruptura da cápsula tumoral. Geralmente apresenta crescimento lento e raridade de acometimento de estruturas adjacentes. Ainda, pode-se solicitar expressão de galectina-3 em caso de dúvida diagnóstica com tumores endócrinos, sendo relacionada com pior prognóstico. A maior incidência em pacientes do sexo feminino ainda é incerta; há teoria relacionada a receptores de progesterona no TF, porém são observados casos no sexo masculino. O tratamento é baseado na ressecção tumoral, podendo realizar linfadenectomia profilática em região retroperitoneal, apesar do acometimento ser improvável, e em sua retirada deve sempre ser preservada a cápsula. Após evidenciação de margens livres em histopatológico, deve ter seguimento ambulatorial sem necessidade de terapia adjuvante.

Comentários Finais

O TF é uma neoplasia com baixa incidência, crescimento indolente e bom prognóstico, sendo de tratamento cirúrgico. O caso relatado mostrou o grande desafio diagnóstico e terapêutico que o tumor representa.

Palavras-chave

TUMOR DE FRANTZ, TUMOR PSEUDOPAPILÍFERO PANCREÁTICO, TUMOR PANCREÁTICO

Área

Tumores hepatobiliopancreáticos*

Autores

LAVÍNIA BARCELLOS ARAÚJO, LEONARDO CARNEIRO VALE, BRUNO AQUINO MARCELINO, CAIQUE RODRIGUES DOS SANTOS, MARCELLA CABIDO RUFFO, ISADORA PASSAMANI REIS INNOCENCIO, DANIEL DE CHRISTO ESTEVES, MIGUEL MIRANDA VICENTINI, THAIS BARBOSA ALVES, JACYARA RIBEIRO VARGAS