XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ADENOCARCINOMA DE CABEÇA DE PÂNCREAS: DIAGNÓSTICO TARDIO COM LESÃO INVASIVA E CIRURGICAMENTE RESSECÁVEL- RELATO DE CASO

Apresentação do caso

Paciente feminina, 59 anos, com diagnósticos prévios de doença do refluxo gastresofágico, dislipidemia, com epigastralgia, disfagia e pirose há dois anos, e piora há dois meses, associado a perda de 5kg. Passou por consultas médicas com clínicos gerais, realizou endoscopias digestivas altas (EDA) com lesão duodenal, porém com histologia negativa para câncer. Em nova EDA, havia lesão vegetante em 2ª porção duodenal, cujo anatomopatológico (AP) revelou adenocarcinoma moderadamente diferenciado. Estadiada com tomografia de tórax e abdome, com achados de espessamento das paredes da 2ª e 3ª porções duodenal, nódulo junto a papila duodenal compatível com neoplasia, linfonodos de tamanho limítrofe em tronco celíaco, além de marcador tumoral elevado. Não temos ecoendoscopia disponível pelo sistema único de saúde no estado, motivo pelo qual o exame não foi realizado para estadiamento. Submetida a cirurgia de Gastroduodenopancreatectomia e linfadenectomia, apresentou boa evolução no pós-operatório, sem complicações, recebeu alta no sétimo dia pós-operatório. Em retorno ambulatorial, apresentou AP da cirurgia demonstrando Adenocarcinoma tipo ductal de pâncreas, infiltrando delgado, medindo 5,5x4cm com invasão linfo-vascular, pT3pN1. Fez quimioterapia adjuvante com Gencitabina, aonde permaneceu por 5 meses. Está clinicamente estável e sem evidência de doença até o momento.

Discussão

O adenocarcinoma ductal é o tipo mais comum de câncer de pâncreas (90%), mais prevalente no sexo masculino e após os 50 anos de idade. É um dos tumores malignos mais agressivos e com sobrevida baixa. Geram sintomas inespecíficos, podendo ser astenia, perda de peso, hiporexia, dor abdominal, entre outros, que colaboram para o diagnóstico tardio da doença. Frente ao diagnóstico, em apenas 15 a 20% dos casos a ressecção cirúrgica é possível, pois nos demais casos trata-se de lesão irressecável localmente avançada ou metastática.

Comentários Finais

Evoluiu com apresentação incomum, a partir do momento que o tumor invadia o duodeno e sem comprometimento local maior, de veia porta ou vasos mesentéricos. Isto denota a importância de suspeição precoce de alterações que possam levantar a hipótese de neoplasia, e com isso avaliar os exames complementares necessários, inclusive repeti-los em caso de biópsia negativa e lesão macroscopicamente suspeita, além de encaminhamento para serviço especializado, contribuindo assim para diagnósticos e tratamentos mais precoces, uma vez que se trata de tumor altamente agressivo.

Palavras-chave

ADENOCARCINOMA DE CABECA DE PÂNCREAS; GASTRODUODENOPANCREATECTOMIA

Área

Trato gastrointestinal alto*

Autores

BIANCA MARTINEZ LELLIS, THAINARA MISSASSI HELLER, LUCAS BERTOLIN, RENAN MENDONCA OLIVEIRA, RAFAEL SODRE DE ARAGÃO VASCONCELOS PEREIRA, LAUZAMAR ROGE SALOMAO JUNIOR, RAFAEL RODRIGUES MATOS, GULHERME BUOGO GATTAS