XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ADENOCARCINOMA ENDOCERVICAL DO TIPO GÁSTRICO - DIAGNÓSTICO DIFERENCIADO DE TUMOR UTERINO

Apresentação do caso

Sexo feminino, 30 anos, refere quadro de dor abdominal intensa com início há um ano. Procurou atendimento médico e foi submetida a exame ginecológico e curetagem endocervical que confirmou neoplasia em útero com laudo histopatológico de adenocarcinoma. Foi realizada uma Ressonância Magnética de pelve que caracterizou uma lesão vegetante, centrada no lábio posterior do colo uterino, com possível acometimento do lábio anterior, sem sinais de comprometimento do canal vaginal ou de gordura paracervical. Dessa forma, a paciente foi submetida à histerectomia total ampliada associada à linfadenectomia retroperitoneal e pélvica. O laudo histopatológico da peça cirúrgica demonstrou a presença de adenocarcinoma endocervical do tipo gástrico com invasão a uma profundidade de 0,8 cm, com margem cervical livre, sem invasão angiolinfática e perineural, além de cistos foliculares dos ovários direito e esquerdo, tubas, omento, apêndice e linfonodos sem particularidades. O procedimento cirúrgico ocorreu sem intercorrências e a paciente recebeu alta no terceiro dia de pós operatório.

Discussão

O adenocarcinoma endocervical representa cerca de 25% dos cânceres cervicais, com aumento nos últimos anos. De acordo com a classificação da International Endocervical Adenocarcinoma Criteria and Classification (IECC), o adenocarcinoma endocervical do tipo gástrico (GAS) é um subtipo raro não associado ao vírus HPV, com comportamento invasor e frequentemente diagnosticado em estágios mais avançados, apresentando, assim, um pior prognóstico quando comparado ao adenocarcinoma endocervical associado ao HPV (ECA). Em relação à morfologia, seus achados iniciais na citologia cervical possuem características que se sobrepõem às das alterações reativas benignas. Referente à localização, essas lesões apresentam-se mais comumente na região superior do endocérvix. Dessa forma, contribuem para dificultar o diagnóstico e a identificação do GAS, o que é muito prejudicial devido à sua natureza agressiva.

Comentários Finais

Vale ressaltar que, devido à vacinação contra o HPV, espera-se redução na prevalência de ECA e, portanto, um potencial aumento na proporção de GAS. Além disso, é de extrema importância tanto a realização de testes de DNA-HPV e coloração imuno-histoquímica para o diagnóstico diferencial, quanto a identificação de alterações, mesmo que sutis, pelo rastreio através da citologia oncótica.

Palavras-chave

ADENOCARCINOMA ENDOCERVICAL DO TIPO GÁSTRICO, TUMOR ENDOCERVICAL UTERINO, TUMOR GINECOLÓGICO

Área

Oncoginecologia*

Autores

MARCELLA CABIDO RUFFO, ISADORA PASSAMANI REIS INNOCENCIO, BRUNO AQUINO MARCELINO, LAVÍNIA BARCELLOS ARAÚJO, CAIQUE RODRIGUES DOS SANTOS, LEONARDO CARNEIRO VALE, ÉRICA MEDEIROS GOMES, PÂMELA AMARAL, MIGUEL MIRANDA VICENTINI