XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Melanoma de canal anal

Apresentação do caso

V.S.B, 69 anos, feminino, caucasiana. comorbidades: Hipertensa dislipidêmica, histerectomia, cateterismo. Procurou médico com queixa de dor anal intensa, alivio com Codeína, hematoquezia e alteração de hábito intestinal. Negou emagrecimento. Retosigmoidoscopia, identificou lesão polipóide friável de 4 cm, na linha pectínea. Anatomopatológico: lesão maligna de células fusiformes. RM de pelve: lesão expansiva acometendo o canal anal 3,3x2,2x2,3cm, a 2cm da linha pectínea. Colonoscopia no reto distal visualizou lesão polipóide na linha pectínea de 40mm. Imunohistoquímica condizente com melanoma de padrão fusiforme (melan A +, prot S100+, SOX-10 +). Anatomopatológico do canal anal apareceu neoplasia maligna fusocelular e epitelioide de alto grau - melanoma, ulceração presente, margens comprometidas. Ausência da variante V600E no gene BRAF. PET CT demonstrou captação no canal anal, espessamento nodular na derme superior e posterior do ombro D medindo 1,0 cm, captação coxofemural D de aspecto degenerativo. Realizada excisão local com linfadenectomia ínguinoilíaca. Novo anatomopatológico demonstrou somente congestão vascular. RM de pelve: espessamento da mucosa retal, alteração cirúrgica de região inguinal D. Nova colonoscopia identificou pólipo séssil no cólon transverso menor que 5mm, ressecado, reto com área de hemorragia intramural. Na segunda PET CT observou-se canal anal sem alterações. Indicação de radioterapia adjuvante.

Discussão

A pele é a principal localização do melanoma, porém outros locais podem ser afetados, como cavidade oral, nasal, trato digestivo, sejam de forma primária ou secundária. Os melanomas de mucosas são raros e representam aproximadamente 1% de todos os casos de melanomas não cutâneos.
Para seu diagnostico exige um criterioso exame da pele, incluindo regiões perineal, genitália externa, lábios, couro cabeludo e canal auditivo externo. Investigação por via endoscópica da cavidade oral e nasofaringe, bem como do ânus e do reto. As mulheres devem ser submetidas a exames ginecologicos e oftalmológico.

Comentários Finais

Dentre os melanomas não cutâneos,o anorretal se apresenta com baixa incidência, sendo um tumor pouco frequente; (0,4% - 1,6%) de todos os melanomas e 1% dos tumores do canal anal, a faixa etária prevalente é entre a sexta e oitava décadas de vida, a distribuição é similar entre homens e mulheres.Os sintomas são comuns aos de outros tumores da região anorretal.

Palavras-chave

Melanoma, canal anal, anorretal, mucosa

Área

Tumores coloretais e canal anal*

Autores

LUIZ HENRIQUE LOCKS, PABLO ROSSATO GOMES DA SILVA, JORGE DELORENZO FILHO, JAQUELINE BEATRIZ DAROLT, JUAN PEREIRA MEDEIROS, THAMARA BARRETO FREITAS, DORIEDSON MAGALHÃES RIBEIRO