XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Ressecção simultânea vs. estagiada: uma revisão sistemática e meta-análise para o tratamento de metástases hepáticas colorretais sincrônicas.

Introdução

A ressecção do tumor primário colorretal e das metástases hepáticas é a única estratégia potencialmente curativa. Em casos assim, não há consenso se a ressecção do tumor primário e das metástases devem ser realizadas simultaneamente ou se deve ser feita abordagem estagiada (ressecção do tumor primário e após, hepatectomia, ou então, a abordagem “liver first”).

Objetivo

O objetivo deste estudo é avaliar os resultados da hepatectomia associada a colectomia em neoplasias colorretais, comparando a ressecção simultânea à estagiada.

Método

Uma revisão sistemática da literatura foi realizada no PubMed, Embase, Cochrane, Lilacs e busca manual de referências. A última busca foi em Julho/2021. Os critérios de inclusão foram: estudos que compararam hepatectomia simultânea e estagiada para metástase hepática colorretal; estudos que analisam desfechos de curto e/ou longo prazo. Os critérios de exclusão foram revisões, cartas, editoriais, resumo do congresso e indisponibilidade de texto completo. Foram avaliados os desfechos perioperatórios e a sobrevida global e, para ressecções estagiadas, foram somadas os desfechos associados a cada um dos procedimentos. As ferramentas ROBINS-1 e GRADE foram utilizadas para avaliar risco de viés e qualidade da evidência. Foi realizada síntese por meio de Forest plots. Foram seguidos os critérios PRISMA (PROSPERO: CRD42021243762).

Resultados

A busca inicial coletou 5655 artigos e, após a seleção, 33 foram incluídos, abrangendo 6417 pacientes. A ressecção simultânea esteve associada a menor tempo de internação (RD: -3.48 dias [IC95%: -5.64, -1.32]), mas a maior risco de mortalidade pós-operatória (RD: 0.02 [IC95%: 0.01, 0.02]). Não houve diferença entre os grupos para perda de sangue (RD: -141,38 ml [IC 95%: -348.84, 66.09]), transfusão sanguínea (RD: -0.06 [IC95%: -0.14, 0.03]) e complicações gerais (RD: 0,01 [IC95%: -0.06, 0.04]). O maior tempo de operação na cirurgia estagiada não foi estatisticamente significante (RD: -50.44 min [IC95%:-102.38, 1.49]). Em relação a sobrevida global, não há diferença entre os grupos (HR: 0.88; IC95%: 0.71-1.04).

Conclusão

Pacientes devem ser bem selecionados para cada estratégia. Deve-se evitar abordagem simultânea para pacientes com alto risco cirúrgico, devido ao aumento de mortalidade perioperatória. Mas quando paciente apresenta baixo risco cirúrgico, a abordagem simultânea diminui o tempo de internação hospitalar e garante resultados a longo prazo equivalentes a cirurgia estagiada.

Palavras-chave

Hepatectomia, Colectomia, Neoplasias Colorretais

Área

Tumores coloretais e canal anal*

Autores

JULIANA LIMA GUMIERO, PAULO ALVES OLIVEIRA, BEATRIZ MARIANA SILVA OLIVEIRA, RAFAEL VAZ PANDINI, MARLENY NOVAES FIGUEIREDO, JAIME ARTHUR PIROLA KRUGER, VICTOR EDMOND SEID, FRANCISCO TUSTUMI, SÉRGIO EDUARDO ALONSO ARAUJO, LUCAS SOARES GERBASI