XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Apresentação Incomum de GIST

Apresentação do caso

AAR, 59 anos, masculino, diabético e hipertenso, admitido no pronto atendimento de um hospital terciário por quadro álgico abdominal associado à astenia e perda ponderal de 14kg em torno de 45 dias. Ao exame físico: Abdome globoso com volumosa massa palpável ocupando todos os quadrantes do abdome. Antecedente previa familiar de câncer do TGI. Ressonância magnética mostrou volumosa formação cística abdominopélvica à esquerda, com algumas septações periféricas e realce parietal, sem outras complexidades, de etiologia a esclarecer. Indicado laparotomia exploradora, realizado ressecção de lesão cística de 30cm de diâmetro localizado entre a região retrogástrica e mesocólon do transverso com conteúdo acastanhado em seu interior. Anatomopatológico caracterizou neoplasia de padrão epitelioide somado a complementação imunohistoquímica; DOG-1 positivo na membrana de raras células e negatividade de C-KIT. Pós operatório evolui sem intercorrências. Paciente foi encaminhado para serviço de referência em oncologia da cidade e definido tratamento terapêutico com mesilato de imatinibe por 3 anos.

Discussão

O tumor estromal gastrointestinal (GIST), apesar de raro, é considerado o sarcoma mais frequente do trato gastrointestinal (TGI) correspondendo a 80% dos casos. Surge a partir das células intersticiais de Cajal localizadas entre as células do plexo mioentérico e do músculo liso que atuam como marcapasso do TGI. Essas células apresentam um receptor transmembrânico específico chamado C-KIT (CD 117) e produzem a proteína DOG-1, importantes para a sua caracterização histopatológica. Estes tumores variam desde lesões intraluminais pequenas a protrusão da massa tumoral à cavidade peritoneal.

Comentários Finais

Este tipo de cancer representa cerca 0,1 a 2% dos tumores gastrointestinais. O GIST pode se originar em qualquer porção do TGI, no caso relatado, surgiu no intestino delgado, o que configura apenas 20% dos casos descritos na literatura. Outros locais de aparecimento são: estômago (70%) - mais comum - e intestino grosso (10%). Este paciente enquadra-se na epidemiologia clássica, isto é, indivíduo com idade média de 60 anos.
Cerca de 88% do GIST apresenta o marcador C-KIT , entretanto a positividade para DOG-1 é apontada como marcador mais específico que o primeiro, o que corrobora fortemente o diagnóstico de GIST neste caso.

Palavras-chave

GIST massa abdominal formação cistica

Área

Trato gastrointestinal alto*

Autores

SYLVIA AYUMI ISHIE MACEDO , IMAD SHEHADEH, GUILHERME AUGUSTO POLAQUINI, IARA MATOS LESSA, SABRINA ROQUETTE, BRUNO SOUZA PEDRO , CARLA LIZ CREKONI BERTI, LUIZ FERNANDO OLIVEIRA JUNIOR, BRUNA JORDANA MELLO, CARLOS EDMUNDO RODRIGUES FONTES