XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Perfil dos casos novos de Melanoma Cutâneo atendidos em hospital de referência nos últimos 5 anos.

Introdução

A incidência do melanoma tem aumentado não só no Brasil mas também no mundo, levando à necessidade de estudo das características epidemiológicas e dos indivíduos, para melhor abordagem clinico-preventiva.

Objetivo

O presente estudo tem como objetivo avaliar os casos novos de melanoma cutâneo atendidos em hospital oncológico terciário nos últimos 5 anos (2016 a 2020), avaliando sexo, idade ao diagnóstico, localização do tumor primário, estadiamento clínico, tratamento inicial e situação atual através dos dados do Registro Hospitalar de Câncer

Método

através do Registro Hospitalar de Cancer foram selecionados os casos novos atendidos no período de 2016 a 2020, classificados de acordo com sexo, idade ao diagnóstico, localização do tumor primário, estadiamento clínico, tratamento e última situação reportada.

Resultados

Nos últimos 5 anos, 679 casos de melanoma chegaram ao hospital oncológico de referência, sendo 123 casos em 2016, 153 em 2017, 155 em 2018, 147 em 2019 e 101 em 2020, observando-se no último ano (2020) uma redução de 31% em relação aos anos anteriores. No período referido, a maioria dos casos ocorreu no sexo masculino (51%), sendo que até a faixa etária de 50 a 59 anos houve igual acometimento entre os sexos, mas a partir dos 60 anos houve maior prevalência do sexo masculino. A média de idade para os homens e mulheres foi 63 e 60 anos, respectivamente. Quanto ao estádio clínico, a maioria eram estádio clinico I (36%), seguido do EC0 (25%), EC II (16%), EC III (15%), ECIV (4%) e X(2%). A maioria das lesões de melanoma ocorreu no tronco (219/32%), seguido por membros inferiores (144/21%), face (133/20%), membros superiores (131/19%) e couro cabeludo (52/8%). 87% dos pacientes receberam tratamento cirúrgico exclusivo e o restante submetidos a associações. A maioria encontra-se viva e sem doença (78%), 3% vivo com doença. Óbitos por melanoma representam 13% dos casos e 8% óbitos não relacionados ao melanoma.

Conclusão

observou-se uma diminuição de 31% dos casos novos no último ano, podendo estar relacionado com a diminuição da procura pelos serviços essências devido à situação de pandemia. Por ser um hospital terciário, esperariamos maior número de casos avançados, porém, a maioria de casos foi doença localizada, refletindo na maioria do tratamento recebido tratar-se de cirúrgico, bem como na excelente sobrevida. Um fato que pode estar relacionado à grande quantidade de casos iniciais é a presença na cidade e em cidades vizinhas de um Programa de Prevenção do Melanoma há mais de 14 anos.







Palavras-chave

melanoma, perfil epidemiológico registro hospitalar de cancer

Área

Oncologia Cutânea*

Autores

ANA GABRIELA SALVIO, REANTO MORATO ZANATTO, DONALDO BOTELHO VENEZIANO