XV Congresso Brasileiro de Cirurgia Oncológica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RETALHO MUSCULAR NA RECONSTRUCAO DE PAREDE TORACICA EM RESSECCOES ONCOLOGICAS EXTENSAS

Apresentação do caso

Paciente masculino de 26 anos com história de trauma em transição toraco-abdominal há 2 anos, evoluindo com aparecimento de lesão elevada e com crescimento progressivo. Realizou exame de imagem sendo visualizado extensa lesão lítica insulflativa na porção anterolateral da 7ª costela direita, com grande componente de partes moles extraósseo, calcificações e alterações císticas/necróticas de permeio. Estendia-se para a parede lateral do abdome, entre a musculatura oblíqua, media 18,4 x 12,5 x 11,8 cm. A biopsia tecidual incisional mostrava proliferação fibro-histiocítica rica em células gigantes multinucleadas, sugestiva de neoplasia fibrohistiocítica benigna. Paciente foi submetido a resseccao cirúrgica e reconstrução do defeito da parede torácica com uso de tela de polipropileno e retalho muscular de grande dorsal.

Discussão

Os principais tumores da parede torácica são o condrossarcoma que é o tumor ósseo maligno primário mais comum em adultos e o sarcoma de Ewing mais comum em criancas. A displasia fibrosa é a condição tumoral benigna mais evidenciada da parede torácica óssea, sendo responsável por cerca de 30% destes tumores. Tradicionalmente, nos exames de imagem os tumores que demonstram extensa destruição cortical e formação de massa nos tecidos adjacentes são classificados como malignos.
Os tumores extensos da parede toracica podem ser ressecados e reconstruídos com uso de retalhos musculares e deve obedecer aos critérios de cirurgia oncológica. A utilização de retalhos musculares para a reconstrução torácica tem sido descrito desde 1970 e os músculos utilizados são: o grande dorsal, serrátil anterior, peitoral maior e o reto abdominal.
A Ressecção da lesão tumoral com margem de segurança, antever condições para a reconstrução cirúrgica e evitar as complicações advindas da instabilidade torácica são os principais fatores relacionado ao sucesso do procedimento cirúrgico.  Muitos autores tem demonstrado que a estabilização da parede torácica associada à boa cobertura muscular tem proporcionado redução no tempo de internação e na função pulmonar adequada no pós-operatório.

Comentários Finais

Este relato demonstra que é possível a reconstrução torácica em tempo único para pacientes submetidos à exerese tumoral torácica extensa e que o tratamento realizado por equipe multidisciplinar em serviço oncológico especializado garantem uma recuperação precoce da função pulmonar e baixo índice de complicações imediatas.

Palavras-chave

Retalho; grande dorsal; tórax; tumor de parede toracica; reconstrução

Área

Tumores Torácicos*

Autores

MAX WELLINGTON SATIRO JUSTINO, RENATA DE FAVERI MATTEI, ANA LUIZA BONINI DOMINGOS , DIEGO DERLY CACERES LESSA, RAFAELLE DE OLIVEIRA SOUZA , WILSON CHUBASSI DE AVEIRO , MAURICIO CAMPOS CUSMANICH, RACHID EDUARDO NOLETO DA NOBREGA OLIVEIRA , CARLOS GUSTAVO LEMOS NEVES, CLEYTON DIAS SOUZA